0

Em São Paulo: conhecendo o Beco do Batman

becodobatman1Um lugar que virou um ponto turístico quase obrigatório para todos aqueles que visitam São Paulo é o Beco do Batman. Mesmo morando na cidade vizinha, nunca havia tirado um dia para ir visitá-lo, até que eu e o namorado combinamos de fazer um mini tour pela Vila Madalena…e o Beco do Batman virou um dos nossos pontos de parada.

becodobatman4

O Beco do Batman é uma galeria a céu aberto no meio da Vila Madalena. Ficou conhecido por esse nome porquê na viela havia um graffiti do Batman, e outros estudantes de artes plásticas começaram a fazer desenhos e pinturas nas paredes do local.

Até hoje a viela é mantida por moradores. Hoje em dia nem pode passar mais carro nela, apenas pedestres. A cada tempo os graffitis mudam e outros artistas deixam seus desenhos pelas paredes do Beco, fazendo com que ele sempre esteja diferente.

becodobatman3

Visitamos o Beco em um sábado chuvoso, de tempinho bem ruim. Era claro ver a quantidade de turistas que estavam no local, tanto de outros lugares do Brasil como de outros lugares do mundo.

becodobatman2

Ensaio fotográfico de pugs 😀

Muitas pessoas aproveitam as paredes do Beco para fazerem ensaios fotográficos (em uma hora que ficamos lá vimos ensaio de: cachorros, crianças, estudantes de moda…). Claro que todo mundo aproveita para tirar umas selfies (a gente também tirou :P).

becodobatman5

O passeio vale muito a pena para conhecer, principalmente se você gosta de arte urbana. Recomendaria ir em um dia de sol para que as fotos fiquem mais bonitas, mas super vale a pena em qualquer dia.

Beco do Batman – Rua Gonçalo Afonso e Rua Medeiros de Albuquerque, Vila Madalena – São Paulo – SP.

Procurando hotel em São Paulo? Reserve pelo Booking.com, o maior site de reservas do mundo. Reservando por esse link, uma porcentagem da sua hospedagem vem para ajudar a manter o blog (sem você pagar nada a mais por isso 😉 ).

Anúncios
0

Em Curitiba: fazendo a visita guiada na Arena da Baixada

arenadabaixada3Eu, particularmente, sou uma corinthiana muito meia boca. Não assisto os jogos desde 2012, nunca fui ao Itaquerão, e (pasmem) nunca vi um jogo do Corinthians no estádio. Então ir em um estádio de futebol fazer uma visita, ainda mais do time que não é o meu, não é lá uma coisa que está na minha lista de top prioridades.

Mas, na nossa viagem a Curitiba, namorado resolveu que queria visitar o Estádio Joaquim Américo Guimarães, mais conhecido como Arena da Baixada, lar do Atlético Paranaense. Okay, admito que estranhei, mas como iríamos ter uma tarde livre de qualquer jeito, topei o passeio.

A Arena da Baixada é considerado desde os anos 90 um dos estádios mais modernos do Brasil. Foi o primeiro estádio da América Latina a ter o teto retrátil e passou por uma reforma entre 2012 e 2014 gigantesca, sendo praticamente reconstruído para a Copa do Mundo.

Para comprar o ingresso para a visita, deve-se ir a salinha do tour, comprar o ingresso e aguardar o próximo tour começar. Custa R$ 20,00 inteira (R$ 10,00 meia entrada).

arenadabaixada2

Maquete de como ficou o estádio depois da reforma

Primeiro vamos a uma salinha para assistir um filme de mais ou menos 20 minutos sobre a história do estádio, ver alguns gols mais famosos de jogadores do Atlético Paranaense. Em seguida, entramos no estádio pela parte da Área Vip, onde possuem maquetes do estádio antes da reforma, agora e como ficará depois da finalização da reforma do complexo (há no momento a construção de um ginásio gigantesco do lado do estádio).

Então a visita sobe para o camarote do estádio, onde dá para ver o gramado bem verdinho de cima e tirar algumas selfies. Admito, assistir o jogo do camarote deve ser muito legal.

arenadabaixada4

Sala de Imprensa

Em seguida, descemos para a sala de imprensa, onde todas as entrevistas são dadas.

arenadabaixada5

Logo seguimos para os vestiários, onde são deixadas algumas camisas representando o espaço de cada jogador e a sala onde os jogadores fazem gelo e hidro após os jogos.

arenadabaixada

Chegamos pertinho do gramado

Para continuar o passeio, é ligado um som na escadaria do gramado para simular o barulho que a torcida faz quando os jogadores estão entrando em jogo. Gente, chega a arrepiar, é muito alto e muito contagiante. Subimos as escadas e podemos tocar o gramado, mas não podemos pisar nem entrar.

Após isso, subimos à área reservada a deficientes do estádio, que ao meu ver, parece ter uma super estrutura para receber pessoas com deficiência física. O espaço é bem amplo, com elevadores e rampas para receber o torcedor.

A visita foi super bem explicada, os guias estavam preparados para todas as perguntas que meu grupo teve. A visita teve duração de mais ou menos 1 hora e meia.

Visita Guiada Arena da Baixada – De Terça a Domingo, as 10:30, 13:30, 14:45 e 16 horas. Rua Buenos Aires, 1270, Curitiba – PR.

 

0

Em Buenos Aires: visitando o Cemitério da Recoleta

cemitériodarecoleta

Em uma segunda-feira ensolarada rumamos para o agitado bairro Recoleta para visitar o famoso Cemitério da Recoleta (Cementerio de La Recoleta). Ele é um dos pontos turísticos mais visitados de Buenos Aires, principalmente por abrigar os túmulos de grandes personalidades argentinas, como de Eva Perón (que é, de longe, o túmulo mais visitado).

O Cemitério da Recoleta foi fundado em 1822, aos fundos da Igreja Nuestra Señora del Pilar (que, com certeza, também merece uma visita nem que seja rapidinho), e logo tornou-se a última morada da alta sociedade porteña.

cemiteriodelarecoleta6

O que torna a visita indispensável é que boa parte dos túmulos são verdadeiras obras de arte. Por abrigar a nata da sociedade porteña do século XIX, quando a Argentina vivia dias de prosperidade infinitamente maiores do que os dias de hoje, a arquitetura e esculturas que compõem o cemitério são de artistas internacionais famosos, o que o torna praticamente um museu a céu aberto.

cemitériodarecoleta4

Salvador María del Carril e Tiburcia Dominguez – tanta raiva durante a vida que suas estátuas foram colocadas de costas durante a morte

Atualmente o cemitério abriga 19 presidentes argentinos, 2 vencedores do prêmio Nobel, 10 escritores, além de vários artistas, poetas e atletas. Isso sem mencionar as incontáveis histórias das famílias enterradas, como o casal Salvador María del Carril e Tiburcia Dominguez, que se odiavam tanto que, quando Tiburcia morreu (15 anos após Salvador María), ela pediu para que seu busto ficasse de costas para a estátua do marido, para não terem que se olhar nem mesmo na morte.

cemiteriodarecoleta2

Eu e o namorado ficamos (literalmente) perdidos durante quase uma hora e meia dentro do cemitério. Mas curtimos bastante, a arquitetura do local é incrível e encontrar nomes famosos da história argentina era sempre divertido. Alguns mausoléus estão em estado deplorável por serem extremamente antigos, mas a grande maioria ainda está lá , praticamente em perfeito estado.

O Cemitério da Recoleta abre todos os dias, das 7h as 17:45h, a visita é gratuita. Para alguns, essa visita pode parecer um tanto mórbida, mas vale a pena passar por cima do preconceito e fazer, pelo menos, uma visitinha rápida.

Cementerio de La Recoleta – Junín, 1760 – Buenos Aires, Argentina.

1

Em Buenos Aires: visitando o MALBA

malba

Mesmo não sendo uma grande fã de arte moderna e contemporânea, um dos lugares que eu mais queria visitar em Buenos Aires era o MALBA (Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires).

Inaugurado em 2001, o museu foi construído para abrigar a coleção de arte do empresário Eduardo F. Costantini. O museu é pequeno, mas olha, tem uma arquitetura de se encher os olhos. Todo branco e bem iluminado com luz natural.

malba5

Abaporu e Autorretrato de Frida Kahlo

O museu abriga obras de de artistas brasileiros famosos, como Di Cavalcanti, Candido Portinari e Tarsila do Amaral. Aliás, é o MALBA que abriga o Abaporu, uma das obras brasileiras mais valorizadas no mundo, que Tarsila pintou como presente de aniversário para o seu marido, o escritor Oswald de Andrade, e que virou referência para a criação do movimento antropofágico no Brasil.

O acervo fixo também possui obras de diversos artistas importantes durante o século XX, como Diego Rivera, Frida Kahlo, Antonio Berni, entre outros.

malba2

Fizemos nossa visita na segunda-feira, 12 de outubro, que também é feriado na Argentina. Chegamos no museu e ele estava lotado, com uma fila enorme para comprarmos os ingressos. Ficamos quase vinte minutos na fila aguardando, compramos os ingressos e finalmente adentramos no MALBA.

O museu é incrível, repleto de obras importantes e marcantes para a história da América Latina. Cada sala era uma nova descoberta de telas, instalações e esculturas, uma mais incrível que a outra.

malba4

Apenas uma questão que me incomodou: O MALBA estava lotado no dia da nossa visita por ser feriado e foi o único museu que visitamos o qual é possível fotografar. Por mais que eu me beneficie dessa vantagem (já que eu pude tirar fotos para postar no blog), a minha visita foi conturbada por pessoas tirando selfies com obras de arte. E não foram poucas.

Acho que aqui vale um pouco do bom senso que falta as vezes: essa necessidade das pessoas de tirarem selfies em todos os lugares que passam acabou deixando os ambientes do museu extremamente agitados, tirando um pouco da tranquilidade necessária para se apreciar as obras.

malba3

É um museu lindo que possui um acervo incrível que conta a história da América Latina e, admito, conhecer de perto o Abaporu, uma obra tão marcante para a arte brasileira foi o ponto alto da visita. Mas evite ir em finais de semana ou feriado para conseguir apreciar o museu com tranquilidade e com a atenção que ele merece. Vale a pena.

MALBA – Av. Figueroa Alcorta, 3415. Buenos Aires, Argentina.

5

Em Buenos Aires: visitando o Teatro Colón

teatro colon

Na nossa viagem à Buenos Aires colocamos no nosso roteiro uma visita ao Teatro Colón, um dos maiores, melhores e mais famosos teatros de ópera do mundo, muito conhecido por sua qualidade acústica excepcional, pelo seu valor arquitetônico e cultural.

O Teatro Colón atual foi inaugurado em 25 de maio de 1908, substituindo a construção original que operou entre os anos de 1857 e 1888 na Plaza de Mayo, no local que hoje abriga o Banco Nación.

teatro colon 4

A construção do prédio levou quase vinte anos, passando por diversos arquitetos até que finalmente fosse concluído. Devido as várias mudanças, vários estilos arquitetônicos foram incorporados ao prédio, mas, sobretudo, se vê a grande influência da arquitetura dos teatros de ópera franceses e europeus.

O Teatro possui a sala considerada com a melhor acústica do mundo para óperas e e a terceira melhor para concertos, sendo um teatro venerado tanto pelo público como por artistas que se apresentaram lá.

teatro colon 2

Foyer de los Bustos

O acesso ao interior do edifício só é permitido por meio de visitas guiadas, que nós decidimos fazer. A visita custou 180 pesos* por pessoa e teve duração de cerca de cinquenta minutos, passando por algumas salas como o Salón Dorado, que impressiona com sua opulência arquitetônica e o El Foyer de Los Bustos, um corredor onde todas as portas possuem bustos de compositores famosos como Mozart e Beethoven.

teatro colon 6

Detalhes da Sala Dorada: o teto mais bonito que eu já vi na vida (por enquanto)

Mas a parte mais importante da visita é a Sala Principal, onde os concertos acontecem. No dia que fiz minha visita, estavam acontecendo ensaios e testes de luz na sala, portanto desde o início sabíamos que não poderíamos fotografá-la e possivelmente a veríamos praticamente escura. Sendo bem sincera, saber disso me desanimou muito, já que a Sala Principal é o ponto alto da visita.

Mas a grande surpresa veio na hora que entramos na sala: nos foi possibilitado ver parte do ensaio de um ballet que aconteceria em poucos dias, Romeo y Julieta. Ver parte do ensaio compensou não poder ver a sala completamente clara, de verdade.

teatro colon 1

Em geral, a visita foi incrível. O prédio é lindo e poder ver um pedacinho de um ballet compensou o fato de que eu não pude ver o Salão Principal com as suas luzes acesas. Ver o palco em uso foi o suficiente para me alegrar, mas caso você se importe, fique atento ao calendário de eventos que acontecerão no teatro para a visita não ter ‘surpresas’, já que quando ocorrem concertos as visitas guiadas são alteradas pelo uso do teatro.

Teatro Colón – Cerrito, 628 – Buenos Aires, Argentina.

* Preços de outubro de 2015.