0

Dica: Fazendo câmbio em Buenos Aires

câmbio

Desde o começo do planejamento para a viagem à Buenos Aires, tivemos uma grande dúvida: o dinheiro. Vamos levar reais? Vamos trocar os pesos aqui? Vamos levar dólar?

Todas as pessoas que conhecemos que foram à Argentina e todos os blogs que lemos não recomendam a troca no Brasil, por se cobrar um valor mais alto no peso do que ele realmente vale. Mesmo assim, resolvemos ir em uma casa de câmbio para verificar nós mesmos se, de fato, não valia a pena. Quando fomos ver a cotação aqui no Brasil, estava 1 real = 2 pesos. Como eu já tinha visto no site do Banco de la Nación Argentina que lá, no câmbio oficial, estava  1 real = 2,50 pesos, realmente vimos que não valeria a pena, então já descartamos essa possibilidade.

Então começamos a ver nossas opções. Poderíamos trocar no oficial no Banco de La Nación assim que chegássemos na cidade, ou poderíamos trocar no paralelo: ou trocando com arbolitos na Calle Florida (o que não foi recomendado por nenhum blog que eu li, mesmo todos dizendo que nunca ouviram falar de casos de falsificação por arbolitos) ou contatando alguma das empresas de turismo que fazem a troca de reais por pesos no hotel.

No fim, decidimos que iríamos trocar um pouco de pesos no Banco de La Nación assim que chegássemos para pagar o taxi e nossos primeiros gastos na cidade e o resto trocaríamos com uma das empresas que fazem troca de reais por peso no hotel.

A primeira empresa que eu achei nas minhas pesquisas foi a famosa Boston Cash. Muitas pessoas já fizeram a troca com eles e relataram que deu tudo certo, mas eu comecei a ler as avaliações deles no facebook e já não fiquei muito feliz, nem segura. Quando os contatei, ninguém me explicou absolutamente nada, só foi meio ‘tá, você quer marcar a troca ou não’ e isso já descartou a empresa pra mim.

Descartada  a Boston Cash, comecei a procura por outra empresa conhecida que fizesse a troca. Foi quando eu encontrei um post de uma blogueira que havia trocado com uma empresa chamada Turismo Baires, relatando que foram super prestativos com ela.

Resolvi entrar em contato com essa Turismo Baires, um pouco insegura porque eles só tinham 11 avaliações no facebook (todas extremamente positivas). A resposta da minha mensagem foi quase automática, explicando todas as minhas possíveis dúvidas: que eles iam ao hotel no horário estipulado, que  cotação era a postada no dia da página deles no facebook e que ainda todas as notas que eles trocavam possuíam um carimbo da empresa para sabermos a procedência do dinheiro e evitar possíveis golpes.

Resolvemos marcar com eles para a troca e assim que chegamos no hotel, o Danilo (uma das pessoas que trabalham com eles) já estava me aguardando para fazermos a troca. A troca foi feita com a cotação do dia, que era 1 real = 3,85 pesos. O Danilo ainda foi super prestativo, deu algumas dicas sobre a cidade e como a empresa estava a disposição para qualquer dúvida.

Além do serviço de câmbio, a empresa também trabalha com venda de passeios turísticos, mas como eu não comprei nenhum, não posso recomendar. Mas trocar o dinheiro com a Turismo Baires foi menos uma dor de cabeça na viagem e eu recomendo muito os serviços de câmbio deles.

Anúncios
2

Em Buenos Aires: Hotel Dazzler San Telmo

dazzler

Procurar um hotel em Buenos Aires foi  um processo longo: quando achávamos um que estivesse dentro do nosso orçamento, ou ele tinha uma localização longe da que queríamos ou era velho e precisava de reforma. Como queríamos um hotel perto do centro, procuramos bastante até que encontramos o Dazzler San Telmo.

O Hotel Dazzler San Telmo era aparentemente limpo, com café da manhã, extremamente bem localizado (próximo à duas estações de metro), bem no centro (pertíssimo da Av. 9 de Julio) e com avaliações boas no booking.com.

dazzler3

Chegamos no hotel, fizemos o check in, deixamos nossa estadia paga e subimos para o quarto. O quarto era bem espaçoso, com armários, uma copa com frigobar, um sofá e uma escrivaninha. A cama era enorme e bem confortável.

Os problemas começaram quando fomos olhar as tomadas. Já sabíamos que a tomada padrão na Argentina era diferente, mas o modelo mais antigo dava para encaixar aquelas tomadas de duas bolinhas. No nosso hotel, o modelo de tomada era novo, ou seja, precisaríamos de um adaptador. Pedi na recepção, mas o hotel não possuía nenhum e não havia nenhum lugar próximo que vendia, mas fui informada que poderíamos carregar nossos celulares na entrada usb da televisão.

Carregar o celular na televisão é chato? É, e demora pacas, mas tudo bem, esse era o menor dos meus problemas. O problema maior era que o quarto não tinha secador e a minha chapinha era daquela de duas bolinhas. Okay, tive que aceitar que iria ficar com cabelo lion mesmo durante a viagem e desencanei logo, mas fiquei uns momentos lamentando a falta de secador e a impossibilidade de usar a chapinha.

dazzler2

Outro ‘probleminha’ do quarto era que o banheiro era extremamente pequeno, tão pequeno que não existiu posição que eu conseguisse tirar foto dele.  Ele também alagava toda vez que tomávamos banho. Não é um problema gigantesco, mas era chato ficar com o piso do banheiro totalmente molhado.

Uma coisa boa do quarto é que mesmo que ele estivesse em uma rua extremamente movimentada, não ouvíamos barulho algum enquanto as janelas estavam fechadas. Por outro lado, o barulho dos vizinhos de manhã no corredor e do elevador eram bem chatos.

dazzler4

Buffet de café da manhã

Em todas as avaliações de hotel que possuíam café da manhã, as pessoas reclamavam que o café da manhã era bem ruim, com pouca variedade, portanto já imaginávamos que o do nosso hotel também seria igual.

Depois do terceiro dia, meu café da manhã era um pão de gergelim com muçarela, uma medialuna com doce de leite e uma xícara de café, porque eram as únicas coisas gostosinhas do café da manhã. As outras coisas não eram ruins, mas nada demais: pão de forma, pão de forma integral, poucas opções de frutas, suco de laranja bem azedo, etc.

dazzler5

Meu café da manhã padrão na Argentina: pão de gergelim, muçarela, medialuna, doce de leite e café

No geral, a melhor coisa do nosso hotel, sem dúvidas, era a localização: estávamos bem perto de quase tudo, então o taxi para o hotel não era caro e, como haviam duas estações de metro por perto, o utilizamos quase todos os dias. Não é um hotel ruim, o quarto era bem limpo e as camareiras eram super simpáticas, mas não era bom também.

Se fosse escolher outra vez o hotel, talvez escolheria um em Palermo ou na Recoleta. A parte boa de se estar no centro é que você está perto da maioria dos pontos turísticos, mas a noite o bairro fica bem vazio e é necessário pegar taxi para sair.

Dazzler San Telmo – Piedras 303, San Telmo – Buenos Aires, Argentina.

0

Em Buenos Aires: um almoço na Pani

pani

Loja da Paní na Recoleta

Nas minhas primeiras pesquisas sobre o que fazer em Buenos Aires me deparei com a Pani e foi amor a primeira vista. Afinal, era uma padaria/café/restaurante com um espaço super fofo e com comidinhas que pareciam incríveis.

Então, desde o início da viagem já sabíamos: precisaríamos passar em pelo menos uma Pani na cidade para que eu pudesse experimentar seus pratos. E foi o que fizemos.

No nosso primeiro dia explorando a cidade, após fazermos a visita guiada ao Teatro Colón, resolvemos andar até a Galerías Pacífico, que possui uma Pani. Chegamos umas três e meia da tarde e o local estava bem cheio de porteños tomando café. Aliás, isso foi uma coisa engraçada que aconteceu todos os dias da nossa viagem: não importa se íamos almoçar ou jantar tarde, sempre os locais estavam apinhados de gente.

pani2

A decoração do local é realmente bem legal e fofa, os móveis são lindos e o espaço bem aconchegante. Como eu sentei em um cantinho do salão, não consegui tirar fotos da decoração, apenas do espaço em que eu fiquei 😦 nem da entrada eu tirei foto (a foto que ilustra esse post foi tirada na frente da Pani Recoleta).

pani3

Limonada e pedacinho do papel de parede

Para beber, escolhi uma limonada, que é batida com hortelã. Normalmente não sou fã de hortelã, mas essa combinação ficou muito boa, quebrou a acidez do limão e fez com que ficasse uma bebida bem refrescante.

pani4

 Panicho

O escolhido do namorado foi o Panicho que era um pão com salsicha envolta em polenta, queijo e mel com batatas palha caseira, acompanhado com guacamole e batatas fritas. O lanche era gostoso, mas bem seco, tinha-se que colocar bastante guacamole para conseguir comer. Como não somos muito fãs desse tipo de batata frita mais rústica, ficamos um pouquinho decepcionados, mas a batata palha estava demais, bem sequinha e crocante.

pani5

Slub Waffle

Já o meu escolhido foi o Slub Waffle: lombo de porco, cheddar, ovo, tomate, bacon, abacate e alface no waffle. Meu primeiro pensamento foi ‘é um lanche café da manhã’ e era uma delícia. Até o namorado comeu uma parte generosa dele. De acompanhamento também pedi as batatas fritas rústicas, que ficaram praticamente intactas já que ambos os lanches eram enormes.

Um adendo: OS LANCHES SÃO ENORMES. Na verdade, tudo que pedimos era enorme. Dava para ter dividido um lanche tranquilo.

pani6Black Cookies Cake 

A primeira coisa que eu tinha visto que eu queria provar na Pani era essa Black Cookies Cake. É uma chocotorta, tradicional sobremesa argentina, normalmente feita com a bolacha (sim, sou paulista, falo bolacha) Chocolinas, doce de leite, cream cheese e chocolate ao leite. Nessa versão, a bolacha Chocolinas é trocada por Oreo e o chocolate ao leite por chocolate branco.

Honestamente, a torta é deliciosa, bem cremosa e cheia de oreos, e mesmo cheios não conseguíamos parar de comer. Só que o pedaço de torta é gigante e ainda ficou mais da metade no prato.

Gostei muito de conhecer a Pani e se eu fizesse outra visita a Argentina iria novamente, mas acho que para experimentar o café da manhã, que falam que é muito bom,  e outros doces. Namorado já não gostou tanto assim e disse que não iria. Acho que é um daqueles casos de restaurante fofo com comidas fofas que me encantou, então se você gosta de lugares desse tipo, recomendo a visita.

Pani – Viamonte, 501 – Galerías Pacífico – Centro

5

Em Buenos Aires: visitando o Teatro Colón

teatro colon

Na nossa viagem à Buenos Aires colocamos no nosso roteiro uma visita ao Teatro Colón, um dos maiores, melhores e mais famosos teatros de ópera do mundo, muito conhecido por sua qualidade acústica excepcional, pelo seu valor arquitetônico e cultural.

O Teatro Colón atual foi inaugurado em 25 de maio de 1908, substituindo a construção original que operou entre os anos de 1857 e 1888 na Plaza de Mayo, no local que hoje abriga o Banco Nación.

teatro colon 4

A construção do prédio levou quase vinte anos, passando por diversos arquitetos até que finalmente fosse concluído. Devido as várias mudanças, vários estilos arquitetônicos foram incorporados ao prédio, mas, sobretudo, se vê a grande influência da arquitetura dos teatros de ópera franceses e europeus.

O Teatro possui a sala considerada com a melhor acústica do mundo para óperas e e a terceira melhor para concertos, sendo um teatro venerado tanto pelo público como por artistas que se apresentaram lá.

teatro colon 2

Foyer de los Bustos

O acesso ao interior do edifício só é permitido por meio de visitas guiadas, que nós decidimos fazer. A visita custou 180 pesos* por pessoa e teve duração de cerca de cinquenta minutos, passando por algumas salas como o Salón Dorado, que impressiona com sua opulência arquitetônica e o El Foyer de Los Bustos, um corredor onde todas as portas possuem bustos de compositores famosos como Mozart e Beethoven.

teatro colon 6

Detalhes da Sala Dorada: o teto mais bonito que eu já vi na vida (por enquanto)

Mas a parte mais importante da visita é a Sala Principal, onde os concertos acontecem. No dia que fiz minha visita, estavam acontecendo ensaios e testes de luz na sala, portanto desde o início sabíamos que não poderíamos fotografá-la e possivelmente a veríamos praticamente escura. Sendo bem sincera, saber disso me desanimou muito, já que a Sala Principal é o ponto alto da visita.

Mas a grande surpresa veio na hora que entramos na sala: nos foi possibilitado ver parte do ensaio de um ballet que aconteceria em poucos dias, Romeo y Julieta. Ver parte do ensaio compensou não poder ver a sala completamente clara, de verdade.

teatro colon 1

Em geral, a visita foi incrível. O prédio é lindo e poder ver um pedacinho de um ballet compensou o fato de que eu não pude ver o Salão Principal com as suas luzes acesas. Ver o palco em uso foi o suficiente para me alegrar, mas caso você se importe, fique atento ao calendário de eventos que acontecerão no teatro para a visita não ter ‘surpresas’, já que quando ocorrem concertos as visitas guiadas são alteradas pelo uso do teatro.

Teatro Colón – Cerrito, 628 – Buenos Aires, Argentina.

* Preços de outubro de 2015.

2

Destino: Buenos Aires, Argentina

Argentina3

Obelisco de Buenos Aires

Buenos Aires é uma das maiores cidades do mundo, e é conhecida, devido a sua arquitetura e costumes boêmios, como a capital européia das Américas ou como a Paris da América do Sul, vocês que escolhem, e foi nosso destino escolhido para uma semana de merecidas férias, de 07 a 14 de outubro de 2015.

Buenos Aires é a capital da República Argentina e é um dos maiores destinos turísticos do mundo, recebendo cerca de três milhões de turistas todos os anos. É um dos destinos favoritos de diversos brasileiros, mas a cidade recebe turistas do mundo inteiro. É bem comum encontrar turistas europeus ou norte-americanos em diversos pontos turísticos.

argentina2

Casa Rosada, sede do governo

Buenos Aires é um polo cultural, possuindo diversos museus e teatros. Em 2011, recebeu pela UNESCO o título de Capital Mundial do Livro, por possuir o maior número de livrarias por habitante no mundo. E as livrarias funcionam até onze horas da noite, como grande parte dos comércios de rua de Buenos Aires. Para se locomover, as linhas de metros e ônibus, mesmo arcaicas, funcionam muito bem e o taxi não é caro.

argentina

El Ateneo Grand Splendid

A cidade possui mais de três mil restaurantes, englobando diversos tipos de culinária, então realmente só come mal em Buenos Aires aqueles que não pesquisam o restaurante antes de frequentá-lo (afinal, existem diversos restaurantes ‘pega turista’, onde come-se mal e paga-se caro). Os sorvetes e os cafés são um capítulo a parte, já que em praticamente todas as ruas você encontra um.

Pode-se chegar a Buenos Aires pelo Aeroporto Internacional de Ezeiza ou pelo Aeroparque Jorge Newbery. Na nossa viagem chegamos e partimos do Aeroporto Ezeiza, mas se fossemos planejar novamente, escolheriamos o Aeroparque. O Aerporto Ezeiza fica a cerca de 40 minutos de carro de Buenos Aires, enquanto o Aeroparque fica próximo ao bairro de Palermo, dentro da cidade. Mesmo sendo um deslocamento curto Ezeiza – hotel em Buenos Aires, poderíamos ter a facilidade de já desembarcar na cidade (e isso é um ponto a ser pensado ao comprar a passagem).

argentina1

Em geral, Buenos Aires tem diversos pontos que eu amo: o sistema de metro funciona bem e com ele é possível chegar a praticamente todos os pontos principais da cidade; possui diversas livrarias; e existem sorveterias e cafés em cada esquina. O tango, o futebol e as parrillas realmente são a alma de Buenos, mas não o seu todo, é uma cidade grande, com muitas facetas e um ótimo lugar a ser conhecido.